Novo piso mínimo de fretes será exequível e tecnicamente correto
  • 25-anos
  • despoluir
  • sest senat

Novo piso mínimo de fretes será exequível e tecnicamente correto

15 de maio, 2019

Com o auditório lotado por representantes dos transportadores e operadores logísticos, embarcadores contratantes de fretes, representantes do governo e dos dos caminhoneiros autônomos de diversas regiões do país, nesta terça-feira (14) ocorreu, em São Paulo, a terceira das cinco audiências públicas coordenadas pela ANTT a serem realizadas até o próximo dia 23, em Brasília.

O professor José Vicente Caixeta Filho, coordenador da equipe técnica da ESALQ-LOG da USP, contratada pela ANTT para elaborar o trabalho e sugerir a agência a cada seis meses a tabela com o Piso Mínimo de Fretes, fez uma apresentação técnica muito elogiada pela maioria dos que inscreveram-se para falar na audiência.

A Fetranspar também fez a análise técnica e concorda com o conceito adotado que compõe o custo do frete considerando-se custo fixo, custo variável/km adicionado-se o custo de carga ou descarga e o pedágio. Esta nova tabela com os Pisos Mínimos de Fretes contemplará várias categorias atendendo as especificidades de vários segmentos do transporte rodoviário.

O professor fez questão de deixar claro que não se trata de tabelamento de fretes. O trabalho indicará o custo do frete sem nenhuma margem de lucro, portanto, expressará de forma técnica o custo mínimo para quem opera na legalidade. Isso quer dizer que qualquer frete praticado pelo mercado muito abaixo do custo, estará demonstrando a prática de “dumping” ou algum tipo de ilegalidade fiscal o que deverá chamar a atenção da fiscalização.

Pelo menos 30 participantes se inscreveram para falar, inclusive caminhoneiros autônomos independentes, contratantes de fretes, operadores logísticos, embarcadores, entidades de classe, líderes de associações, advogados e técnicos. Boa parte dos representantes dos embarcadores tentou desvirtuar o teor da lei tentando passar um entendimento de que o Piso Mínimo de Fretes se aplicaria apenas na relação entre a transportadora e o TAC o que foi combatido pela maior parte da plateia.

Vários em suas falas disseram que leis devem ser cumpridas, inclusive embarcadores. A representante da Mitsubishi reclamou que tem respeitado o Piso Mínimo de Fretes com seus transportadores, mas seus concorrentes não estão cumprindo tal lei. Um caminhoneiro fez questão de demonstrar que para uma viagem de São Paulo a Recife com carreta de 5 eixos a nova tabela de piso mínimo demonstra o custo de R$ 8.500,00 mas este valor não remunera o custo operacional. Reclamou junto a equipe técnica que os valores estão abaixo do custo real e precisam ser corrigidos tempestivamente. Vários sugeriram que o insumo diesel deixasse de figurar junto ao frete a exemplo do que já ocorre com o custo dos pedágios.

Desta forma ao variar para cima ou para baixo o custo do diesel não afetaria a margem do transportador. Nas diversas falas parece ter havido um consenso que o piso mínimo de fretes aplica-se apenas a cargas completas mas houveram alertas para não esquecerem das operações em “Milk-Run” onde várias coletas ao longo da rota geram uma carga completa, portanto, na redação da norma não devemos vincular que aplica-se apenas do ponto A ao ponto B mas a lotação do caminhão ao longo da rota para um mesmo embarcador contratante.

O diretor da Fetranspar, Markenson Marques, que representou o Paraná na Audiência Pública requisitou a equipe técnica da ESALQ-LOG, que considere como produtividade ao volante no máximo 160 horas/mês/motorista e como tempo para carga ou descarga 5 horas/viagem, pois é isso que consta na lei de estadia vigente. Ele ainda lançou o desafio aos embarcadores para aceitarem alterar nesta lei uma redução de 5 para 1 hora o tempo livre de estadia para carga ou descarga.

“Qualquer embarcador ou destinatário que demande mais de 60 minutos para carregar ou descarregar uma carreta é incompetente. Não podemos considerar custo de incompetência na composição de piso mínimo de fretes," ressalta Marques. Com isso melhoraria a produtividade e por consequência todos seriam beneficiados com o menor custo. Destacou também estar correto o parâmetro de considerar na planilha de custos caminhão zero quilômetro depreciado em 7 anos considerando-se seu valor residual a valor de mercado independentemente do tempo para depreciação contábil ser menor. Também alertou que o Piso Mínimo de Fretes deve basear-se na carga tributária de transportadoras que recolhem IRPJ pelo lucro real.

Alegou que a opção de recolhimento pelo lucro presumido é um erro grave da política fiscal pois incentiva a transportadora optante desta modalidade a comprar insumos sem nota fiscal via caixa 2 o que é ilegal.

Markenson Marques fez um discurso elogiado por vários participantes ao dizer que os embarcadores não deveriam dizer que “sem fertilizantes todos morreríamos de fome” nem os caminhoneiros “sem caminhão o Brasil pára” porque se Deus retirar nosso oxigênio, todos estaremos mortos em 3 minutos. Com isso, ao chamar a todos para o valor da humildade, procurou sensibiliza-los de que gostemos ou não, leis devem ser cumpridas e o Piso Mínimo de Fretes está amparado em lei, inclusive com parecer da Procuradora Geral da República Raquel Dodge da PGR pela constitucionalidade desta lei, porém, que neste momento é um mal necessário, mas não resolverá o problema em definitivo.

Para Marques, o caminho é unir forças para solicitar aos Senadores aprovarem com urgência o Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas, pois ele colocará ordem no setor e combaterá a concorrência desleal que foi a grande causadora da greve dos caminhoneiros que paralisou o Brasil há um ano. "Com isso, em um futuro próximo, o próprio mercado se auto-regulará em preços pela velha e boa lei da oferta e procura", declara Marques. A nova tabela com o Piso Mínimo de Fretes entrará em vigor no dia 20 de julho de 2019.

A documentação completa relativa ao objeto da Audiência Pública está disponível, em sua integridade, no site http://www.antt.gov.br - Audiência Pública no 02/2019. A audiência pública continua aberta e as sugestões podem ser enviadas a ANTT pelo site.

Foto: Marcelo Rodrigues

 

Comente pelo Facebook

25 ANOS

Visite o hotsite em comemoração aos 25 Anos

saiba mais
DESPOLUIR

Programa Ambiental do
Transporte

saiba mais
SEST SENAT

Serviço Social do Transporte
Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte

saiba mais
JORNAL Abr/2019
Proluv
Top