Governo cria linhas de crédito específicas para período de pandemia

Governo cria linhas de crédito específicas para período de pandemia

26 de junho, 2020

Empresários do setor de transporte de cargas do Estado do Paraná, que tiveram seus negócios impactados diretamente pela crise do coronavírus, relatam com frequência a FETRANSPAR, dificuldades em obter créditos juntos as instituições estaduais, dinheiro esse necessário para arcar com custos básicos como a folha de pagamento, por exemplo.

Desde o início da crise, a Federação tem se reunido com o Governo do Estado, bem como com as lideranças de bancos como o BRDE e a Fomento Paraná, para relatar essa dificuldade. “O retorno que tem os tido é que as linhas de crédito foram definidas e os recursos já estão sendo disponibilizados, contudo a alta demanda de pedidos tem acarretado em demora na análise dos cadastros”, observa o presidente da FETRANSPAR, Coronel Sérgio Malucelli.

Renato Maçaneiro, diretor de mercado da Fomento Paraná explica que Fomento Paraná e BRDE explicam sobre prazos e como empresários devem fazer suas solicitações o tempo do pedido pode variar de 30 a 60 dias para cada contrato.

“O volume é alto, já avaliamos mais de 12 mil cadastros nas últimas semanas, o equivalente a todo o volume registrado em 2019. Nossas equipes estão quase 100% voltadas ao momento da crise. Todos terão seus pedidos analisados”, garante. “Das 27 linhas que a Fomento possui, hoje reduzimos a quatro, justamente para agilizar o processo”, esclarece.

Se por um lado a demora preocupa o empresário, os juros praticados pela linha estadual são mais atrativos quando comprado aos bancos tradicionais. “O empresário deve ficar atento aos juros. Linhas que têm juros maiores que 1% podem comprometer a saúde financeira da empresa lá na frente. O ideal é buscar juros mais baixos, mesmo que o crédito possa demorar um pouco mais para ser liberado”, orienta o economista e professor da Faculdade Estácio Curitiba, Hugo Eduardo Meza Pinto.

Linhas de crédito

Fomento Paraná

A estimativa da Fomento é empregar em torno de R$ 480 milhões no pacote econômico anunciado pelo Governo Estadual. Os recursos estão divididos em quatro linhas e objetivam atingir pelo menos 40 mil empresas. Uma das principais medidas é uma linha de crédito de capital de giro de R$ 120 milhões para atender entre outros, micro e pequenas empresas, com limite de até R$ 6 mil por tomador, em condições facilitadas de análise e de garantias, sem necessidade de aval de terceiros.

A Fomento Paraná reduziu em cinco pontos percentuais ao ano a taxa de juros da linha tradicional de microcrédito da instituição, que vai até R$ 20 mil para pessoa jurídica. Com isso, a menor taxa de juros, que é de 1,28% ao mês, deve baixar para 0,91% ao mês. O prazo para pagamento neste caso aumentou de 36 meses para 48 meses, com carência ampliada para até 12 meses (incluída no prazo total).

Quem já abriu um CNPJ e se formalizou, mas está há menos de um ano no mercado tem acesso a um limite de R$ 3 mil. Empreendedores formalizados há mais de 12 meses, como micro ou pequena empresa podem contar com limite de R$ 6 mil. Para as três faixas a taxa de juros é de 0,41% ao mês e o prazo para pagamento de 36 meses, com direito a 12 meses de carência. Os recursos serão liberados em até três parcelas.

Outra linha, de R$ 160 milhões, disponibiliza capital de giro entre R$ 6 mil e o limite de R$ 200 mil para micro e pequenas empresas (faturamento anual até R$ 4,8 milhões), por meio de uma linha de crédito tradicional. Nesse caso, a taxa de juros disponível parte de 0,68% ao mês e o prazo para pagamento de 60 meses, incluindo uma carência de até 12 meses. A liberação dos recursos será vinculada a um compromisso das empresas com a manutenção de salários.

Empreendedoras

Para o Banco da Mulher Paranaense há algumas mudanças. Toda empreendedora poderá tomar o crédito até o limite de R$ 6 mil, dentro das condições de taxa de juros de 0,41% ao mês, com prazo de 36 meses e carência para pagar. Acima desse valor, continuam valendo os recursos da Fomento Paraná: de R$ 10 mil a R$ 20 mil para pessoa jurídica com mais de 12 meses de atividade, com taxa de 0,76% ao mês, com até 12 meses de carência e prazo total de 48 meses para pagar. Para micro e pequenas empresas que tenha mulheres como proprietárias ou sócias, há crédito acima de R$ 20 mil - até R$ 200 mil - com taxas a partir de 0,44% ao mês e prazo de 60 meses, incluída carência de 12 meses.

BRDE

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) registrou, em maio, o marco histórico de R$ 1 bilhão em contratos nos cinco primeiros meses de 2020, o que gerou um incremento, nos dados consolidados da Região Sul, de 78% frente as contratações no mesmo período do ano passado. Só do Paraná são R$ 358 milhões.

O programa formatado pela instituição para fazer frente a pandemia inclui um total de R$ 670 milhões, sendo R$ 50 milhões da linha de microcrédito, R$ 100 milhões de recursos próprios e R$ 520 milhões de outros fornecedores de crédito.

São R$ 100 milhões de recursos próprios para atender o crédito de R$ 50 mil a R$ 1,5 milhão, com taxa de juros (Selic) de 3% ao ano, prazo máximo de 60 meses e carência de até 24 meses. A exigência é de que o tomador mantenha os postos de trabalho. As linhas são: microcrédito – até R$ 50 mil; micro e pequenas empresas até R$ 200 mil; e demais empresas - até R$ 1,5 milhão. Também estão disponíveis outros R$ 520 milhões para linhas de capital de giro e para incremento da produção.

Contratos ativos

Tanto a Fomento Paraná quando o BRDE dispõe de alternativas para prorrogação de contratos já firmados com as instituições. A solicitação pode ser feita pelo interessado diretamente no site das instituições e tem o objetivo de dar apoio para que o empresário possa equilibrar suas contas nos próximos meses.

Restrições

Multas de trânsito não pagas, impostos atrasados, pendências com órgãos públicos estaduais, CPF ou CNPJ inscrito sem dívida ativa da União (Previdência Social), ou ainda inadimplência e prejuízos antigos registrados no Banco Central (SCR) são alguns dos fatores que inviabilizaram na Fomento Paraná, por exemplo, pelo menos 3.260 pedidos de crédito feitos nas últimas semanas.

A função da verificação, segundo a instituição, é garantir que os recursos financeiros disponíveis sejam bem usados e possam retornar para apoiar outros empreendedores. “Nossa orientação é que o empresário, antes de registrar o seu pedido, faça uma consulta no CADIN (Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal). Se encontrar algo no cadastro, buscar regularizar para que seu processo possa ser agilizado”, orienta Renato Maçaneiro.

Serviço:

Acesse www.coronavirus.pr.gov.br/Campanha e confira quais as linhas de créditos disponíveis pelas instituições e que são específicas para o período

 

Comente pelo Facebook

JORNAL Jun/2020
Top