FETRANSPAR - Novo reajuste nos combustíveis preocupa setor de transportes
  • 25-anos
  • despoluir
  • sest senat

FETRANSPAR - Novo reajuste nos combustíveis preocupa setor de transportes

04 de setembro, 2017

O mês de setembro nem bem iniciou e já traz notícias não animadoras para o setor de transportes: a Petrobras anunciou na última sexta-feira (1º) novos reajustes nos preços da gasolina e diesel. O aumento nas refinarias é de 4,2% e 0,8%, respectivamente. A justificativa é de que a medida é necessária para garantir a aderência dos preços praticados pela companhia. Com isso, por exemplo, o preço da gasolina nas bombas pode chegar a R$4 no estado do Paraná.

A FETRANSPAR tem se manifestado contra as medidas vindas de Brasília, que não tem levado em consideração o impacto destes reajustes para o setor de transportes de cargas. A nova medida reforça a tese de que aumento deste início de mês, aliado ao que já ocorreu em agosto terá um impacto de até 4% no preço do frete para o Transportador de Cargas do Estado do Paraná neste segundo semestre. Esse cálculo é baseado em um estudo divulgado pela NTC&Logística, que leva em consideração fatores como o peso do frete no produto e a distância do transporte.

Com isso, produtos de primeira necessidade, como farinha, arroz e feijão, por exemplo terão o maior impacto final, penalizando o consumidor final. Hoje o custo do combustível corresponde a 40% do valor do frete.

Para as empresas compensarem este custo maior, existem poucas possibilidades e nenhuma tem resultado positivo para a sociedade. As soluções indicadas seriam a da redução dos demais custos e o repasse aos clientes. A primeira já não é possível, pois as empresas já vêm cortando custos. A segunda, neste momento é inviável, já que nos últimos três anos houve diminuição no valor do frete que hoje está com uma defasagem de 18,30%.

Portanto, as providências que sobram aos gestores destas empresas para equilibrar as contas e sobreviverem neste ambiente acabam se restringindo a compensar o aumento de custo com a demissão de funcionários ou tornar-se inadimplente, uma vez que não conseguirão arcar com os atuais níveis de impostos. Ambas são medidas corrosivas ao setor de cargas e a sociedade como um todo.

Fonte: Assessoria de comunicação FETRANSPAR

Comente pelo Facebook

25 ANOS

Visite o hotsite em comemoração aos 25 Anos

saiba mais
DESPOLUIR

Programa Ambiental do
Transporte

saiba mais
SEST SENAT

Serviço Social do Transporte
Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte

saiba mais
JORNAL Jun/2018
Proluv
Top