SEST SENAT - Saiba como se proteger de crimes na internet

SEST SENAT - Saiba como se proteger de crimes na internet

09 de fevereiro, 2018

Você sabia que quase dois terços dos adultos que utilizam a Internet no mundo já foram vítimas de crimes virtuais? Isso é o que aponta o Relatório de Crimes Cibernéticos Norton, que classificou o problema como uma “epidemia digital silenciosa”. O problema é que muitas pessoas acreditam que elas não serão alvos desse tipo de atitude criminosa e deixam, por isso, de tomar cuidados essenciais para se protegerem.  

As ações dos cibercriminosos ocorrem, principalmente, por meio de vírus de computador e ataques de malwares (por exemplo, programas maliciosos ou softwares nocivos que se infiltram no sistema de um computador, causando danos e deixando a “porta aberta” para o acesso de pessoas mal-intencionadas).

Ainda segundo a pesquisa da Norton, o Brasil é um dos países com maior número de computadores infectados por essas pragas virtuais. A estimativa é que 62% dos equipamentos estejam contaminados.
Além disso, muitos usuários da rede também são alvos de golpes on-line, ataques de phishing (quando a mensagem tenta persuadir a pessoa a clicar e dar informações pessoais), roubos de perfis de redes sociais, fraudes de cartões de crédito e assédio sexual.

EaD SEST SENAT oferece curso gratuito sobre segurança na internet

A plataforma EaD SEST SENAT oferece um curso gratuito que apresenta os riscos que as pessoas correm e os crimes cometidos na Internet, além de informações relacionadas às precauções para se proteger, bem como aos órgãos e às leis aos quais se deve recorrer quando ocorre um crime. Clique aqui para acessar e matricule-se!

Veja alguns dados que demonstram o tamanho desse problema

- 978 milhões de pessoas em 20 países foram prejudicadas pelo cibercrime em 2017.
- O prejuízo total no mundo foi de US$ 172 bilhões, sendo, em média, US$ 142 por vítima.
- Solucionar o crime cibernético leva, em média, 28 dias e custa cerca de US$ 334.
Comportamentos comuns de quem é vítima de ciberataque
- Reconhecer a importância da cibersegurança, mas adotar poucas atitudes para se proteger.
- Desprezar o básico, como cuidados com senhas: 58% das vítimas de cibercrimes compartilharam ao menos um dispositivo ou senha com outras pessoas, e 20% usam a mesma senha para todas as contas on-line.

Dicas para aumentar a segurança on-line

- Utilize endereços de e-mail diferentes para contas diferentes ao fazer cadastros e compras on-line.
- Utilize um cartão de crédito separado, com limite pequeno, para fazer compras na Internet. Alguns bancos oferecem cartões virtuais para essa finalidade.
- Faça o backup dos seus dados regularmente para impedir que criminosos cibernéticos destruam dados insubstituíveis.
- Utilize senhas complexas para cada conta on-line. Elas devem ter ao menos oito caracteres que misturem letras maiúsculas e minúsculas, números e caracteres não alfanuméricos, como [email protected]#$%*()+?
- Atualize as senhas com frequência. Evite fazer coisas que envolvam utilizar informações pessoais quando estiver conectado em uma rede wireless de Internet pública, como acessar redes sociais, pagar contas, etc.
- Proteja a sua rede de Wi-fi com senhas fortes.
- Pense duas vezes antes de abrir mensagens não solicitadas ou arquivos anexados, especialmente de pessoas que você não conhece.
- Não clique em links aleatórios, mesmo quando enviados por pessoas que você conhece. Esses são aqueles links estranhos que recebemos em mensagens que, às vezes, não fazem muito sentido. As mensagens podem ser de um cibercriminoso que violou o e-mail ou a conta em mídia social de um conhecido seu.
- Informe-se sobre o assunto e instale softwares antivírus eficientes para proteção contra esse tipo de ameaça em seus dispositivos (celular, computador, etc.)

Fonte: SEST SENAT Foto: Divulgação

 

Comente pelo Facebook

JORNAL Ago/2019
Top