SEST SENAT - Mobilização nacional para combater uso de álcool e drogas nas estradas

SEST SENAT - Mobilização nacional para combater uso de álcool e drogas nas estradas

16 de agosto, 2017

O consumo abusivo de álcool ou o uso de drogas afetam toda a vida do usuário. Perda da capacidade de raciocinar, comprometimento dos reflexos, dificuldades de atenção e memória são algumas das consequências físicas. Mas os problemas vão além, afetando o relacionamento com a família, os amigos e o trabalho, além de elevarem o risco de violência e de acidentes de trânsito.

Ocorre que, muitas vezes, conhecer os perigos que rondam esse tipo de comportamento não é o suficiente para evitá-lo. Nos círculos sociais, aprende-se, por exemplo, a associar a bebida alcoólica ao divertimento e à redução de estresse. Isso cria um mecanismo perigoso no cérebro, gerando as bases para o consumo abusivo e o vício. “O álcool passa a atuar como reforçador positivo, por exemplo, se a pessoa bebe para ficar menos inibida e facilitar a socialização. E atua como reforçador negativo quando o consumo é para buscar alívio de sensações ruins, como um dia de trabalho estressante”, explica o psicólogo do SEST SENAT Ailton Cortez da Silva.

O alívio e o prazer proporcionados por substâncias psicotrópicas são encarados como uma válvula de escape, conforme Patrícia Alves dos Reis Duarte, que também é psicóloga do SEST SENAT. Mas as sensações são passageiras. “Às vezes, as pessoas estão passando por uma série de dificuldades e encontram, no vício, uma satisfação ilusória. Diante disso, têm dificuldades de perceber os limites”, explica. Isso abre as portas para o vício e, com ele, para os danos nocivos ao usuário e aos que o rodeiam.

Evitar esse tipo de situação passa por atitudes preventivas. Em casa, por exemplo, é importante conscientizar e dialogar sobre esses assuntos.

Quando o consumo de álcool ou drogas já está ocorrendo, é fundamental romper esse processo o mais cedo possível. E isso começa com o reconhecimento pela própria pessoa de que algo não está bem. “É importante que avalie essa condição com auxílio de um profissional e dos familiares. Isso pode ser penoso, mas não enfrentar o problema traz consequências irreparáveis”, ressalta Patrícia. 

A família e os amigos também são cruciais nesse processo. Muitas vezes, com medo ou vergonha, as famílias se escondem e sofrem sozinhas as dificuldades. Porém, o psicólogo Ailton Cortez da Silva lembra de que se trata de uma doença e, para dar os primeiros passos no tratamento, é importante buscar auxílio profissional.

Ele reforça, ainda, que o indivíduo também deve refletir sobre as causas do consumo. “Se ele percebe, por exemplo, que sempre numa situação de estresse busca esse alívio, é uma forma de tratar. Deve refletir sobre o que gera o comportamento. E isso é um mote particular. Já na família, deve-se favorecer a comunicação para que a pessoa possa se expressar, e não trabalhar com a questão da estigmatização”, recomenda.

Onde buscar atendimento

Se você conhece alguém que precise de apoio profissional, o SEST SENAT está de portas abertas para ajudá-lo. As Unidades Operacionais localizadas em todo o Brasil oferecem Assistência Psicológica aos trabalhadores do transporte. Encontre a Unidade mais próxima a você e saiba mais sobre esse serviço.

Também é possível ligar para o número 132, um serviço gratuito, anônimo e confidencial do governo federal que fornece orientações e informações sobre drogas e aconselhamento a familiares. O atendimento é 24 horas por dia. Nas cidades, também é possível buscar apoio e orientação junto aos Caps (Centros de Atenção Psicossocial).

Mobilização nacional

O SEST SENAT promove, no mês de agosto, uma mobilização nacional para combater o uso de álcool e drogas nas estradas. O objetivo é orientar os profissionais do transporte acerca das reações que o corpo pode ter ao ingerir álcool e outras drogas enquanto dirige e dos perigos do uso indevido dessas substâncias.

Fonte: SEST SENAT

Comente pelo Facebook

JORNAL Ago/2019
Top