Produção industrial no Paraná cresce 2,4%, apesar da crise

Produção industrial no Paraná cresce 2,4%, apesar da crise

11 de janeiro, 2017

Produção industrial no Paraná cresce 2,4%, apesar da crise

O aumento no ritmo da produção industrial nacional na passagem de outubro para novembro de 2016 (0,2%), série com ajuste sazonal, foi acompanhada por apenas cinco dos 14 locais pesquisados. Os avanços mais intensos ocorreram no Pará (6,6%), Minas Gerais (5,9%) e Amazonas (4,4%), locais que já mostraram taxas negativas no mês anterior: -5,2%, -7,9% e -2,3%, respectivamente. Paraná (2,4%) e São Paulo (1,6%) também cresceram acima da média da indústria, enquanto Santa Catarina (0,0%) repetiu o patamar verificado no mês anterior.

Região Nordeste (-5,2%) e Pernambuco (-4,9%) apontaram os resultados negativos mais acentuados nesse mês, com o primeiro intensificando a queda de 1,2% observada no mês anterior e o segundo eliminando a expansão de 1,7% acumulada nos meses de setembro e outubro. As demais taxas negativas foram ocorreram na Bahia (-2,1%), Ceará (-1,9%), Goiás (-1,6%), Rio de Janeiro (-1,2%), Rio Grande do Sul (-0,8%) e Espírito Santo (-0,5%).

 Ainda na série com ajuste sazonal, a evolução do índice de média móvel trimestral para o total da indústria apontou decréscimo de 0,1% no trimestre encerrado em novembro de 2016 frente ao nível do mês anterior e manteve a trajetória descendente iniciada em julho de 2016. Em termos regionais, ainda em relação ao movimento deste índice na margem, oito locais mostraram taxas negativas, com destaque para os recuos mais acentuados assinalados por Goiás (-2,8%), região Nordeste (-1,9%), Bahia (-1,4%), Ceará (-1,3%) e Pernambuco (-1,1%). Espírito Santo (2,6%) e Paraná (1,8%) registraram as principais expansões em novembro de 2016.

Em relação a novembro de 2015, indústria recuou em 9 dos 15 locais pesquisados
Na comparação com igual mês do ano anterior, o setor industrial mostrou redução de 1,1% em novembro de 2016, com nove dos 15 locais pesquisados apontando resultados negativos. Nesse mês, Goiás, com queda de 16,6%, assinalou o recuo mais intenso, pressionado, em grande parte, pela queda na produção dos setores de produtos alimentícios (açúcar cristal e VHP, leite em pó, carnes de bovinos congeladas, frescas ou refrigeradas, óleo de soja refinado e em bruto, extrato, purês e polpas de tomate e leite condensado) e de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (álcool etílico). Pernambuco (-6,4%), Bahia (-5,4%), Espírito Santo (-4,5%), Ceará (-4,4%), região Nordeste (-3,3%), Santa Catarina (-1,8%) e Rio Grande do Sul (-1,7%) também registraram resultados negativos mais acentuados do que a média nacional (-1,1%). Minas Gerais (-0,3%) completou o conjunto de locais com taxas negativas nesse mês.
Pará (9,8%) mostrou o avanço mais elevado em novembro de 2016, impulsionado, principalmente, pelo comportamento positivo vindo de indústrias extrativas (minérios de ferro em bruto). Os demais resultados positivos foram assinalados por Paraná (6,2%), Rio de Janeiro (4,8%), Amazonas (4,3%), São Paulo (1,3%) e Mato Grosso (0,3%).

No acumulado do ano, indústria recuou em 14 dos 15 locais
No indicador acumulado entre janeiro e novembro de 2016, frente a igual período de 2015, a redução na produção nacional alcançou 14 dos 15 locais pesquisados, quatro recuando com intensidade superior à média nacional (-7,1%): Espírito Santo (-20,3%), Amazonas (-11,7%), Pernambuco (-10,8%) e Goiás (-8,8%). Minas Gerais (-6,8%), São Paulo (-5,6%), Paraná (-5,1%), Ceará (-4,8%), Bahia (-4,7%), Rio de Janeiro (-4,5%), Rio Grande do Sul (-4,4%), Santa Catarina (-4,0%), região Nordeste (-3,4%) e Mato Grosso (-1,1%) completaram o conjunto de locais com resultados negativos no fechamento dos 11 meses do ano.

Nesses locais, o menor dinamismo foi particularmente influenciado por fatores relacionados à diminuição na fabricação de bens de capital (em especial aqueles voltados para equipamentos de transportes – caminhões e veículos para transporte de mercadorias – e para fins industriais); bens intermediários (autopeças, produtos de minerais não-metálicos, produtos têxteis, produtos siderúrgicos, produtos de metal, derivados do petróleo e indústrias extrativas); bens de consumo duráveis (automóveis, eletrodomésticos da “linha branca” e da “linha marrom”, motocicletas e móveis); e bens de consumo semi e não-duráveis (calçados, produtos têxteis, vestuário e bebidas). Por outro lado, Pará (9,3%) assinalou o único avanço no índice acumulado no ano, impulsionado, em grande parte, pelo comportamento positivo da atividade de indústrias extrativas (minérios de ferro em bruto).

No acumulado em 12 meses, indústria recuou em 14 dos 15 locais
A taxa anualizada, indicador acumulado nos últimos 12 meses, com o recuo de 7,5% em novembro de 2016 para o total da indústria nacional, reduziu o ritmo de queda frente ao registrado em junho (-9,7%), julho (-9,5%), agosto (-9,3%), setembro (-8,7%) e outubro (-8,4%). Em termos regionais, 14 dos 15 locais pesquisados mostraram taxas negativas em novembro de 2016, mas 12 apontaram maior dinamismo frente ao índice de outubro último. Os principais ganhos de ritmo entre outubro e novembro foram registrados por Amazonas (de -15,3% para -13,3%), Paraná (de -7,6% para -5,9%), Rio de Janeiro (de -6,4% para -5,0%), São Paulo (de -7,3% para -6,1%), Rio Grande do Sul (de -5,9% para -4,9%), Espírito Santo (de -21,1% para -20,1%) e Minas Gerais (de -7,9% para -7,0%), enquanto Goiás (de -7,6% para -8,3%) mostrou a maior perda entre os dois períodos.

Fonte: Bem Paraná - 11/01/2017

Comente pelo Facebook

JORNAL Ago/2019
Top