Mesmo sem pedágio, DER e Dnit afirmam que qualidade das estradas será preservada

Mesmo sem pedágio, DER e Dnit afirmam que qualidade das estradas será preservada

01 de junho, 2022

Apesar da preocupação de empresas de transporte de carga, caminhoneiros autônomos e motoristas em geral em relação à conservação das estradas do Paraná que estão sem o contrato de pedágio, o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR) e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) afirmam que todos os trabalhos estão sendo feitos, por meio dos contratos temporários, para preservar as condições de segurança.

As rodovias do antigo Anel de Integração são compostas por trechos estaduais e federais, que vinham sendo administrados pelas concessionárias até novembro de 2021, quando venceram os contratos de concessão. Em dezembro, tanto DER quanto Dnit assinaram contratos temporários com empresas terceirizadas para garantir os serviços de manutenção das estradas, até que um novo contrato de concessão seja estabelecido, o que é previsto para 2023.

Sob a responsabilidade do DER estão as estradas estaduais que totalizam 964,52 quilômetros. E o Dnit cuida dos 1.535,48 quilômetros das federais.

O DER mantém cinco contratos, no valor total de R$ 93,4 milhões. Desse total, R$ 9,7 milhões já foram investidos, segundo o órgão do governo estadual.

Segundo o DER, foram realizadas em dezembro de 2021 roçadas nas laterais das rodovias e instalados os canteiros de obras, com as melhorias no pavimento iniciando em janeiro deste ano. Os serviços incluem remendos superficiais e profundos, reperfilagem e microrrevestimento. É realizado também o controle da vegetação próxima ao pavimento, limpeza e recomposição de elementos de drenagem, e limpeza e recomposição da sinalização e de dispositivos de segurança viária.

Ainda segundo o DER, os serviços são feitos de forma rotineira e contínua, priorizando as rodovias com maior movimento e maior necessidade de intervenções. Trabalhadores percorrem a malha rodoviária, verificando as condições das rodovias e alertando os responsáveis.

Usuários podem comunicar problemas e notificar os responsáveis

“Os usuários também podem notificar os escritórios regionais ou a ouvidoria do DER-PR quanto ao surgimento de buracos ou problemas semelhantes”, informa o Departamento. “Se o problema for identificado como de baixo risco, é relatado ao fiscal que poderá alterar a programação dos serviços para priorizar o trecho danificado. Caso a patologia apresente risco aos usuários, o local poderá ser sinalizado e receber serviços paliativos, até a frente de trabalho ser deslocada", esclarece o órgão.

Já o Dnit informa, por meio de nota, que monitora e fiscaliza permanentemente as rodovias federais com o apoio de empresa supervisora, que auxilia na definição de ações voltadas à manutenção preventiva e corretivas. Segundo o órgão federal, o serviço de tapa-buracos é mais demandado após períodos chuvosos, mas é uma ação rotineira, sendo realizada durante toda a execução do contrato.

De acordo com o Dnit, a evolução do desgaste natural de um pavimento depende de diversos fatores desde a concepção e execução do projeto original até a execução da manutenção/conservação deste pavimento, considerando excessos de peso, volumes de tráfego e intempéries climáticas.

Transportadoras, caminhoneiros e motoristas reclamam

De acordo com a Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar), os problemas mais comuns relatados por transportadoras são buracos, pedaços de pneus na pista, atendimento demorado, e iluminação precária em pontos onde antes se tinha boa visibilidade.

Os problemas são mais visíveis entre Curitiba e Guarapuava e entre Curitiba e o Porto de Paranaguá. O atendimento não é igual ao realizado por empresas administradoras de rodovias”, relata a Fetranspar. Ainda segundo a Federação, na BR-277, em direção ao litoral, a iluminação está muito precária.
O presidente do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos do Paraná (Sindicam), Josemar Bueno, diz que os serviços emergenciais hoje nas estradas do Paraná são ruins e morosos. “Só quando o mato está entrando na pista acontecem as roçadas, além disso as balanças não funcionam”, relata.

Um leitor da Gazeta do Povo, por meio de mensagem enviada ao jornal, também reclama da sinalização precária na BR-277 no sentido Litoral-Curitiba. “Tenho utilizado a rodovia BR-277 para voltar de nosso Litoral e tenho percebido dificuldade para ver a sinalização, pois as placas estão muito sujas. Durante todo o trecho da subida e descida da Serra do Mar a sinalização é praticamente inexistente. A fuligem dos escapamentos dos caminhões gruda nas placas, que ficam invisíveis à noite. Logo, logo, pode haver um acidente grave por falta de sinalização”, observa o leitor.

Em resposta, o Dnit, responsável pelo trecho, informa que "as recomposições da sinalização vertical (placas) existente são executadas com frequência, de acordo com a necessidade, bem como as complementações e atualizações". "Conforme verificado no cronograma do contrato de execução dos serviços de manutenção rodoviária, a limpeza das placas neste segmento específico está prevista para o início do próximo mês", acrescenta o órgão federal.

Fonte e Foto: Gazeta do Povo

 

Comente pelo Facebook

JORNAL Nov/2022
Top