CNT - Indenizações por morte no trânsito sobem 42% no Brasil

CNT - Indenizações por morte no trânsito sobem 42% no Brasil

22 de setembro, 2017

Apenas no mês de agosto, foram pagas 37.934 indenizações para casos de morte, invalidez permanente e despesas médico-hospitalares decorrentes de acidentes de trânsito no Brasil. O número é 8% superior do que o registrado no mesmo mês de 2016. Os dados são do Boletim Estatístico da Seguradora Líder, responsável pela administração do Seguro DPVAT no Brasil. A pesquisa ainda mostra um aumento de 42% de indenizações por morte ante ao mesmo período de 2016. Foram 4.595 indenizações pagas para herdeiros de vítimas fatais em apenas um mês.

Para o diretor-presidente da Seguradora Líder, Ismar Tôrres, os números mostram que é preciso haver uma consciência maior por parte dos motoristas para que os números possam diminuir. “As imprudências no trânsito, de forma geral, contribuem para o número expressivo de acidentes com vítimas no país. E as análises contínuas de nossos indicadores podem contribuir para o desenvolvimento de ações de prevenção de acidentes mais efetivas em todo o país”.

Os motociclistas ainda são as principais vítimas de acidentes. Avaliando somente o mês de agosto, dos 16.977 motoristas que receberam indenização por invalidez permanente, 15.270 eram motociclistas. Em números percentuais, eles representaram quase 90% dos condutores indenizados neste tipo de cobertura durante o mês de agosto. “No caso dos motociclistas, a falta do uso do capacete, o desrespeito às leis de trânsito (muitos guiam o veículo de duas rodas sem habilitação) e o mau estado de conservação de muitas motocicletas podem potencializar os acidentes graves”, analisa Tôrres.

As estatísticas do boletim são baseadas nas quantidades de pagamentos das indenizações do Seguro DPVAT e referem-se às ocorrências de acidentes no período e em anos anteriores, observado o prazo prescricional de três anos da data do acidente, período em que a vítima ou herdeiro pode solicitar a indenização.
Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), o Brasil é o quarto colocado em número de mortes nas Américas, atrás apenas de República Dominicana, Belize e Venezuela.

O Brasil registra cerca de 47 mil mortes no trânsito por ano — 400 mil pessoas ficam com algum tipo de sequela. O custo dessa epidemia ao país é de R$ 56 bilhões, segundo levantamento do Observatório Nacional de Segurança Viária. Com esse dinheiro, seria possível construir 28 mil escolas ou 1.800 hospitais.

Fonte: Carlos Teixeira/Agência CNT de Notícias Foto: Arquivo CNT, com informações da Seguradora Líder

Comente pelo Facebook

JORNAL Ago/2019
Top